Nacional

Por que Elon Musk decidiu colocar compra do Twitter ‘de molho’


O bilionário quer mais dados sobre contas falsas, provocando especulações sobre o futuro do acordo. Elon Musk
Reuters
Elon Musk declarou que o acordo de US$ 44 bilhões para comprar o Twitter está suspenso depois que ele questionou a proporção de contas falsas ou de spam na plataforma de mídia social.
Ele disse que aguarda informações "que confirmem o cálculo de que contas falsas/spam de fato representam menos de 5% dos usuários".
LEIA TAMBÉM:
Contas falsas e spam: entenda o problema que fez Elon Musk suspender a compra do Twitter
Elon Musk no Twitter: a cronologia da negociação até a suspensão do acordo de compra
De onde Musk vai tirar US$ 44 bilhões para pagar pela rede social?
Musk diz estar preocupado em como limpar o Twitter das contas falsas ou de spam (que compartilham conteúdos automatizados e em série).
No entanto, analistas especulam que ele poderia estar tentando renegociar o preço ou até mesmo recuar da aquisição.
Após o tuíte de Musk, o preço das ações do Twitter caiu até 25% nas negociações antes da abertura das bolsas de valores.
Pouco depois, ele usou a plataforma de mídia social novamente para reforçar que "ainda está comprometido com a aquisição".
Sob os termos do acordo assinado, se Musk ou o Twitter desistirem do acordo, uma das partes deve pagar ao outro lado uma multa de rescisão de US$ 1 bilhão.
O Twitter informou há mais de duas semanas que contas falsas representavam menos de 5% de seus usuários ativos diários durante os primeiros três meses deste ano.
No entanto, a empresa disse que, ao determinar a quantidade de contas falsas ou de spam, "aplicou um cálculo significativo, portanto, nossa estimativa de perfis falsos ou de spam pode não representar com precisão o número real de tais contas".
"O número real de contas falsas ou de spam pode ser maior do que estimamos. Estamos continuamente buscando melhorar nossa capacidade de calcular o total desses perfis", afirmou.
Musk, que é a pessoa mais rica do mundo de acordo com a revista Forbes, está agora examinando mais a fundo esses números.
Musk publicou que a compra do Twitter estava suspenso.
Reprodução
No tuíte acima, Musk escreveu em inglês: "O acordo com o Twitter está suspenso temporariamente por causa de detalhes pendentes que suportam o cálculo de que contas falsas/spam representam, de fato, menos de 5% dos usuários".
O Twitter há muito tem um problema com contas falsas automatizadas, que são usadas para postar conteúdos de forma recorrente e em série.
Musk diz querer "derrotar os bots de spam" no Twitter, bem como promover várias outras mudanças, incluindo a recuperação de algumas contas que foram banidas, como a do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
Dan Ives, analista de tecnologia da empresa de investimentos Wedbush Securities, disse que o tuíte de Musk "transformaria este show de circo sobre o Twitter em um show de terror de sexta-feira 13".
O analista acrescentou que o mercado financeiro agora verá algumas possibilidades futuras para o acordo. "Número um, o negócio provavelmente desmoronando; dois, como Musk buscando por um preço mais baixo; ou três, como Musk simplesmente se afastando do acordo com uma taxa de rompimento de US$ 1 bilhão".
Ives aponta que, se Musk ainda seguir em frente com a compra, uma "renegociação provavelmente está na mesa".
Para ele, esse questionamento sobre as contas falsas pode ser interpretada "como uma maneira de sair deste acordo em um mercado em grande mudança".
LEIA TAMBÉM:
WhatsApp liberar reações com emojis para usuários; saiba como atualizar
Carro movido a eletricidade, esterco e hidrogênio bate recorde mundial de autonomia
Guia para carreira em TI: profissões, salários, por onde começar e como se desenvolver em tecnologia
"A capacidade de Musk criar tanta incerteza após um tuíte é muito preocupante para nós... Todo esse acordo vira um show de circo, com muitas perguntas e nenhuma resposta concreta sobre o caminho daqui para frente."
Análise de Zoe Kleinman, editora de tecnologia da BBC
Eis outra reviravolta na tentativa de Elon Musk comprar o Twitter.
Uma de suas prioridades, disse ele, era "limpar" a plataforma — eliminando os robôs e contas de spam que ele acredita serem prejudiciais à rede social.
No entanto, o Twitter afirma que menos de 5% de seus usuários ativos são perfis falsos.
Há evidências que apontam para os dois lados.
Se uma minoria dos usuários do Twitter for robôs, isso significa, então, que não há um diamante bruto para ser lapidado aqui. Será que o que você vê na rede social reflete a realidade mesmo, não algo mediado por contas falsas e automatizadas? Se sim, isso torna a proposta de compra menos valiosa?
É claro que também é possível que a nova hesitação de Musk decorra de como ele pretende financiar o negócio — ele inclusive já teve que vender algumas de suas valiosas ações da Tesla para arrecadar fundos da compra do Twitter, o que acabou afetando a empresa de automóveis elétricos.
Elon Musk certamente tem muito a pensar.
Musk também é presidente-executivo da Tesla e usou grande parte de suas ações na fabricante de carros elétricos para financiar parte da aquisição do Twitter.
Ele vendeu 8,5 bilhões de dólares em ações da empresa e planejava um empréstimo de US$ 12,5 bilhões, embora esse valor tenha sido reduzido para US$ 6,5 bilhões.
O preço das ações da Tesla caiu acentuadamente desde que Musk revelou que queria comprar o Twitter. Existe o temor de que ele precise vender mais ações da empresa automobilística para concluir a transação pela rede social.
Porém, depois que Musk tuitou que o acordo com o Twitter estava temporariamente suspenso, o preço das ações da Tesla saltou 6,7% nas negociações antes da abertura oficial do mercado.
A mais recente decisão de Musk também ocorre após dois executivos do Twitter anunciarem que estão deixando a empresa.
Kayvon Beykpour, que liderou a divisão de consumo do Twitter, e Bruce Falck, que supervisionou a área de receitas, tuitaram na quinta-feira (12/5) que as saídas não aconteceram por decisões deles mesmos.
A partir desta semana, a empresa também disse que paralisou a maioria das contratações, com exceção da chegada de funcionários para "funções-chave do negócio".
M

Fonte: G1