Mato Grosso do Sul

Plano é campo-grandense optar por ônibus

Será que Campo Grande está perto de chegar àquele momento em que as pessoas preferem sair de ônibus do que de carro, como ocorre nas grandes capitais? Uma coisa é certa: com o número de veículos nas ruas quase triplicando nas últimas duas décadas, a prefeitura precisa de uma estratégia para o trânsito não ficar caótico. O plano é diminuir o tempo médio em que os ônibus chegam ao destino para atrair quem hoje só usa outros meios.
Em seminário realizado na Câmara Municipal na segunda-feira (22), o diretor-presidente da Agetran (Agência Municipal de Trânsito), Janine de Lima Bruno, revelou que a ideia da prefeitura vai muito além de reduzir o tempo médio do transporte coletivo. A série de investimentos em corredores e outras áreas do trânsito são a grande aposta para conseguir essa “revolução” no comportamento dos moradores da cidade.
Estão sendo gastos R$ 120 milhões nas obras, que agora, prometem evitar um caos no problema do trânsito. Números do Detran (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul), divulgados em matéria recente do Campo Grande News sobre os problemas do trânsito, mostram que nos últimos 22 anos, a frota de veículos aumentou 284,2%, passando de 159.173 veículos, em 1999, para 611.564 neste ano.
Questionadas por muitos moradores e comerciantes, as obras estão por toda parte na região central, no pacote do Programa Reviva Mais, e a prefeitura garantiu que os corredores vão aumentar a velocidade dos ônibus de 17,5 quilômetros por hora para 22 km/h.
Além das obras, a prefeitura trabalha em revisão do plano diretor, segundo a diretora-presidente da Planurb (Agência Municipal de Meio Ambiente e Planejamento Urbano), Berenice Maria Jacob Domingues. “A edição vigente é que discutimos entre 2007 a 2009.