Mato Grosso do Sul

Perda de meio bilhão em MS é resultado de incêndios florestais

Para além da destruição ambiental, incêndios nos três biomas do Estado provocaram prejuízo de mais que meio bilhão de reais, entre 2016 e 2021. Neste período, o Mato Grosso do Sul é o estado brasileiro com maior dano econômico provocado por ocorrências florestais, segundo a CNM (Confederação Nacional de Municípios).
O estrago financeiro foi de aproximadamente R$ 533,1 milhões, equivalente a 46% do total em todo o Brasil, e ocorreram nos setores público e privado.
Em seguida, aparece o estado de Mato Grosso, com R$ 304,2 milhões, e Minas Gerais, com R$ 107,8 milhões. A quarta posição ficou com o estado de São Paulo, com R$ 82 milhões em prejuízos. Das 27 unidades federativas, oito não responderam os questionamentos da entidade - Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Paraná, Rondônia e Tocantins.
Segundo o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o País sofre com queimadas na maior parte do ano, mas em períodos mais secos, as ocorrências se intensificam - com o fim da estação chuvosa, entre julho e setembro, a umidade do ar reduz e os dias ficam mais quentes, facilitando a propagação de incêndios.
Vale dizer que as causas são diversas e envolvem fatores humanos e naturais. No entanto, o avanço do desmatamento e a ampliação de áreas pastorais e atividades agropecuárias favorecem tais acontecimentos. Segundo relatório do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), maior parte do fogo em 2020, ano recorde de destruição do Pantanal, foi provocada por ação humana.