Internacional

Dólar fecha em leve alta em meio a cautela internacional e doméstica

O dólar fechou em leve alta nesta sexta-feira (18), refletindo a cautela dos investidores em meio a tensões entre Estados Unidos e China e com os investidores de olho na cena política doméstica.

A moeda norte-americana subiu 0,08%, cotada a R$ 5,0818. Veja mais cotações.

Na semana, o dólar avançou 0,74%. Na parcial do mês, acumula queda de 4,95%. No ano, ainda registra alta de 26,73%.

O Banco Central realizou nesta sexta-feira leilão de venda de até US$ 2 bilhões em linhas de moeda estrangeira, em operação conjugada com compra futura desses recursos. Além disso, a autarquia fez leilão de swap tradicional de até 16 mil contratos com vencimento em maio e setembro de 2021, destacou a Reuters.

  • Saiba se é hora de comprar dólar

Cenário local e externo

Nos EUA, a vacinação começou nesta semana, enquanto na União Europeia (UE) a expectativa é que a imunização se inicie pouco depois do Natal. O Reino Unido segue vacinando segmentos específicos da população.

O entendimento de investidores é que o processo de vacinação permitirá uma reabertura mais ampla da economia, dando espaço para uma recuperação sólida da atividade, cenário que beneficia ativos sensíveis a ciclos econômicos, como os de mercados emergentes.

Já na Europa, as discussões entre União Europeia (UE) e Reino Unido para chegar a um acordo sobre sua relação pós-Brexit têm apenas "algumas horas" pela frente, disse nesta sexta o negociador europeu, Michel Barnier, em meio a persistentes divergências.

Por aqui, continuou no radar também dos investidores a questão fiscal, que há meses têm sido apontada como um fator decisivo na disparada do dólar frente ao real no ano de 2020, assim como a taxa básica de juros em mínimas históricas.

Segundo o Blog da Andréia Sadi, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) decidiu pautar para esta sexta-feira a medida provisória que prorrogou o auxílio emergencial até dezembro, incluindo nela o pagamento do 13º do Bolsa Família. Agora, a articulação política do governo trabalha para reverter o cenário e convencer Maia a tirar o item da pauta.

Fonte: G1