Nacional

Grã-Bretanha vai dar vistos de emergência para 800 açougueiros para o abate de suínos

Estada no país terá duração de 6 meses. Fazendeiros da região reclamaram que o êxodo de trabalhadores de matadouros e processadores de carne deixou o setor lutando pela sobrevivência. Grã-Bretanha vai dar vistos de emergência para açougueiros
A Grã-Bretanha oferecerá vistos de emergência de seis meses a 800 açougueiros estrangeiros para evitar o abate em massa de suínos, depois que fazendeiros reclamaram que um êxodo de trabalhadores de matadouros e processadores de carne deixou o setor lutando pela sobrevivência.
Uma combinação de Brexit e Covid-19 desencadeou um êxodo de trabalhadores do Leste Europeu, deixando cerca de 120.000 porcos em celeiros e campos em todo o país esperando para serem abatidos, de acordo com a National Pig Association.
Leia também:
'Carne de ossos': cortes de terceira também ficaram mais caros
Venda de carne moída: regras propostas não se aplicam a açougues e supermercados, diz governo
Britânicos correm o risco de ficar sem peru de Natal por falta de trabalhadores
O ministro do Meio Ambiente, George Eustice, disse que os vistos temporários resolveriam o problema que os agricultores afirmam estar colocando em risco a subsistência e causando problemas de bem-estar animal.
"O que vamos fazer é permitir que açougueiros em matadouros e processadores de carne que lidam com porcos possam entrar temporariamente sob o esquema de trabalhador sazonal por até seis meses", disse Eustice aos repórteres.
"Isso nos ajudará a lidar com o acúmulo de porcos que temos atualmente nas fazendas para dar a esses processadores de carne a capacidade de abater mais porcos".
Eustice disse que cerca de 800 açougueiros serão necessários para limpar o acúmulo e anunciou um auxílio ao armazenamento privado para ajudar os matadouros a armazenar carne.
Mas ele disse que o governo decidiu não diminuir a exigência da língua inglesa para vistos qualificados para permitir que mais açougueiros passem por esse caminho - uma exigência importante dos fazendeiros, que pedem há semanas que os ministros tomem medidas.
“A indústria nos pediu para olharmos para os requisitos de idioma na rota das habilidades”, disse ele. "Nós examinamos isso, mas não achamos que isso forneça uma resposta para seu desafio específico."
Veja também:
Peste suína não oferece risco à saúde humana; entenda a doença
120 animais vão ser abatidos em região com foco de peste suína no Ceará
A falta de açougueiros é apenas uma das várias áreas em que a Grã-Bretanha enfrenta uma grave escassez de mão de obra.
No mês passado, anunciou planos de emitir vistos temporários para 5.000 motoristas de caminhão estrangeiros e 5.500 trabalhadores avícolas, mas o governo quer que as empresas invistam na força de trabalho britânica em vez de depender de mão de obra estrangeira barata.
Os ministros também têm se esforçado para minimizar as sugestões de que a saída da Grã-Bretanha da União Europeia foi o principal problema que afetou os trabalhadores nas cadeias de abastecimento.
Muitos trabalhadores da indústria de suínos voltaram para casa durante a pandemia e simplesmente não voltaram, disse Eustice.
“É um quadro complexo: houve muitas interrupções no mercado, problemas de acesso ao mercado chinês, talvez alguma superprodução - aqui a produção aumentou cerca de 7% - e sim, a mão-de-obra foi um agravante, mas não foi o único fator ", disse Eustice.
"A indústria de suínos, e em comum com muitas partes da indústria de alimentos, viu uma perda de pessoal porque muitos dos cidadãos da União Europeia (UE) que dependiam deixaram durante a pandemia - nada a ver com o Brexit."
Como parte das medidas para resolver o problema da falta de motoristas de caminhão, ele disse que as regras de cabotagem para motoristas da UE seriam relaxadas para que eles pudessem fazer quantas viagens quisessem em um período de duas semanas.
Vídeos: tudo sobre agronegócios

Fonte: G1