Nacional

Facebook libera postagens de Eduardo Bolsonaro e diz que publicação com imagem de Hitler foi ‘removida indevidamente’


Deputado ficou seis dias impedido de postar no perfil após compartilhar imagem com citação atribuída ao ditador nazista. Parlamentar entrou na Justiça para derrubar sanção, mas rede social revisou medida por conta própria. Deputado federal Eduardo Bolsonaro na Câmara dos Deputados
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
O Facebook decidiu, na tarde desta terça-feira (20), anular a punição aplicada à pagina do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) na rede social. O parlamentar ficou seis dias impedido de fazer posts e comentários após questionar pesquisas eleitorais em uma publicação, usando uma imagem do ditador nazista Adolf Hitler, ao lado de uma frase atribuída a ele.
Com a sanção, o deputado acionou o Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) na tentativa de ter a conta liberada, mas o pedido foi negado, nesta segunda-feira (20). Após a repercussão do caso, a rede social afirmou em nota ao G1 que "o post de Eduardo Bolsonaro foi removido indevidamente e já foi restaurado".
Justiça do DF nega pedido de indenização feito por Eduardo Bolsonaro contra Kim Kataguiri
Comissão do TCU investiga produção de relatório falso que questiona mortes por Covid
A punição foi aplicada em 14 de julho, e teria duração de 30 dias. As últimas publicações na página dele, até a medida, eram de 12 de julho. O G1 questionou o Facebook sobre as motivações acerca do bloqueio e da revisão da decisão nesta terça, mas não obteve resposta.
Esta foi a segunda suspensão das postagens do deputado em pouco mais de um mês (saiba mais abaixo). Em junho, ele foi impedido de postar após fazer uma publicação sobre um relatório falso do Tribunal de Contas da União (TCU), com dados sobre mortes por Covid.
Em nota, a advogada Karina Kufa, que representa Eduardo Bolsonaro, diz que vai manter a ação judicial para que o Facebook "repare os danos causados ao parlamentar e não volte a cometer abusos dessa natureza" (veja íntegra ao fim da reportagem).
Postagem
A postagem que motivou a mais recente restrição ocorreu em 10 de julho. Na publicação, Eduardo Bolsonaro reproduziu manchetes de reportagens que indicavam a derrota do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nas eleições de 2022.
Além da imagem de Hitler, a postagem tinha a frase: "Torne a mentira grande, simplifique-a, continue afirmando-a e eventualmente todos acreditarão nela".
Na legenda, o parlamentar escreveu: "A verdade é o que os seus olhos veem ou o que contam para você? As técnicas utilizadas hoje em dia não são novas."
Justificativa do bloqueio
No processo, o deputado alegou que, ao impedi-lo de publicar, o Facebook argumentou que houve desrespeito aos termos de uso da plataforma, e que a postagem "representava violação às diretrizes da comunidade, mais especificamente, seria contrária aos padrões relacionados a indivíduos e organizações perigosas".
Na tentativa de anular a restrição, a defesa do parlamentar alegou que o bloqueio era uma "censura", que ocorreu de "forma vaga e injustificada, sem qualquer possibilidade de defesa prévia, cerceando o seu direito de livre manifestação de maneira unilateral e autoritária".
RELEMBRE: Em junho, deputado foi multado após causar aglomeração e ficar sem máscara em passeio de moto com o pai, em SP (vídeo abaixo).
VÍDEO: Eduardo Bolsonaro provoca aglomeração ao final do passeio de moto em SP
Ao julgar o caso, o juiz Caio Brucoli Sembongi destacou que esta não foi a primeira vez que Eduardo Bolsonaro acabou punido pelo Facebook. O magistrado já havia negado um pedido do parlamentar para reabilitar a conta quando da primeira sanção, em junho.
Sobre a hipótese de censura, o juiz afirmou que o parlamentar "poderia ter transmitido a mensagem que desejava, ou seja, uma crítica às pesquisas eleitorais brasileiras, e à forma como são feitas, como é de seu direito, sem fazer uso da imagem de pessoas tidas como perigosas ou ligadas a organizações perigosas [como Hitler], nos termos das diretrizes de uso da rede social ré".
Ainda de acordo com Sembongi, não foi possível comprovar que a restrição na rede social causou a Eduardo Bolsonaro "qualquer limitação ao desempenho de seu mandato ou mesmo que tenha sido cerceada a possibilidade de livre manifestação de sua própria opinião, por palavras ou votos proferidos em razão do mesmo mandato".
O que diz a defesa de Eduardo Bolsonaro
Confira a íntegra da nota da defesa do deputado sobre o caso:
"O Facebook suspendeu a censura de 30 dias imposta ao deputado Eduardo Bolsonaro antes mesmo de protocolarmos na Justiça nosso recurso contra a indevida punição. A decisão é correta, mas não é suficiente. Vamos dar prosseguimento à ação judicial para que a empresa Facebook repare os danos causados ao parlamentar e não volte a cometer abusos dessa natureza. O bloqueio da conta do deputado, que vigorou por seis dias, foi uma clara violação da liberdade de expressão e do livre exercício da atividade parlamentar. É preciso deixar claro que o Facebook não é juiz de contendas políticas e muito menos intérprete oficial da Constituição.
Karina Kufa, advogada de Eduardo Bolsonaro"
Leia mais notícias sobre a região no G1 DF.

Fonte: G1