Internacional

Estas são as 10 marcas de luxo mais valiosas do mundo em 2019

Segmento vive tensão entre tradicional apelo de exclusividade e imperativo contemporâneo da acessibilidade — traduzido no vasto alcance das mídias digitais

A francesa Louis Vuitton é a marca de luxo mais valiosa do mundo pelo 14º ano consecutivo, segundo o ranking BrandZ, divulgado neste mês pela WPP e pela Kantar. Seu valor de marca aumentou 15% para US$ 47,2 bilhões no ano passado. Ela é seguida por outras duas conterrâneas: Chanel, com valor de marca de US$ 37 bilhões e Hermès, com US$ 31 bilhões.

A categoria de luxo tem sustentado um crescimento “excepcional”, destaca o estudo, apesar da tensão contínua entre o tradicional apelo de exclusividade e o imperativo contemporâneo da acessibilidade — que se traduz no amplo alcance das mídias sociais.

“Embora o número de pessoas capazes de comprar produtos de luxo permaneça limitado, a mídia social está expandindo a oportunidade para que mais pessoas apreciem marcas de luxo à medida que se tornam mais relacionáveis, ajustando o engajamento de mídia social e inovando nas lojas físicas”, avalia Elspeth Cheung, Diretora Global da Global BrandZ Valuations na Kantar.

A rainha do ranking, Louis Vuitton, possui mais de 30 milhões de seguidores em seu perfil no Instagram:

Em um primeiro momento, pode soar contraintuitivo para uma marca de luxo expandir sua presença online para atingir um maior número de consumidores. Historicamente, sempre prevaleceu a crença de que os produtos de luxo são “exclusivos” e “limitados”, algo fora do alcance do consumidor médio.

No mundo atual, porém, a conquista de mercado se baseia cada vez mais no engajamento de clientes online. Um recente estudo da consultoria Bain & Co. prevê que o comércio eletrônico representará 25% das vendas do segmento até 2025. Isso significa que o atendimento VIP e a experiência VIP não podem ser confinada às lojas físicas.

Estudo da consultoria Deloitte estima que, coletivamente, a geração milênio e a geração Z representarão cerca de 40% do mercado global de bens de luxo até 2025 — e se sabemos alguma coisa sobre essa dupla é que ela adora novidade.

Os consumidores mais jovens buscam uma experiência de compra personalizada que integre as plataformas online e offline, o que tem motivado as empresas a adotarem tecnologias como realidade aumentada (RA) e inteligência artificial (IA).

Além de explorar oportunidades de engajamento, no democrático universo online, as marcas de luxos também precisam comunicar valores e criar conexões emocionais com clientes tradicionais e novos consumidores.

Segundo o BrandZ, as marcas de luxo devem responder às novas necessidades dos consumidores e interagir com eles de maneira significativa para se manter na liderança. As marcas que lideram o ranking têm se saído bem nesse processo.

Rank 2019 Marca País Valor da marca 2019 (US$ Milhões) Variação
1 Louis Vuitton França 47,214 15%
2 Chanel[1] França 37,006 N/A
3 Hermès França 30.966 10%
4 Gucci Itália 25,274 13%
5 Rolex Suíça 8,389 -4%
6 Cartier França 5,998 -15%
7 Burberry Reino Unido 4,698 5%
8 Dior França 4,658 29%
9 Saint Laurent/Yves Saint Laurent França 3,572 45%
10 Prada Itália 3,504 -11%
Fonte: Exame