Nacional

IGP-10 registra aumento de 1% em abril, revela FGV

Índice Geral de Preços - 10 acumulou um aumento de 2,55% no ano

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta segunda-feira, 15, a Operação Mendacium, que tem como objetivo desarticular organização criminosa especializada em fraudes no seguro-desemprego. Agentes cumprem 21 mandados de prisão preventiva e 12 de busca e apreensão em São Paulo, Mauá (SP), Porangatu (GO) e Ibicuí (BA). Mendacium, o nome da operação, significa falsidade em latim.

A investigação identificou 408 empresas inexistentes que eram utilizadas por membros da organização criminosa para o recebimento do seguro-desemprego. O Ministério da Economia apurou que entre 2015 e 2019 a organização investigada recebeu R$ 20,5 milhões em benefícios fraudulentos. Foram bloqueados R$ 10,5 milhões, valor que a organização criminosa ainda receberia em parcelas a vencer do benefício.

A Delegacia da Polícia Federal em Presidente Prudente (SP) começou a apurar os crimes em outubro de 2017, a partir da denúncia de um trabalhador. Segundo ele, uma pessoa não identificada estaria recebendo seguro-desemprego em seu nome.

Na primeira fase da investigação, os líderes da organização criminosa foram presos em flagrante em um escritório no bairro da Penha, na zona leste de São Paulo. No local, foram encontrados documentos falsos, equipamentos para a falsificação, material de informática e aproximadamente R$ 420 mil em espécie.

A partir da análise dos materiais apreendidos na primeira fase da operação, outros membros do grupo foram identificados. Segundo a PF, os integrantes continuavam com as atividades da organização mesmo após as prisões dos líderes e por isso foram determinadas as prisões preventivas. Os detidos responderão pelos crimes de participação em organização criminosa e fraude.

O Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10) subiu 1,00% em abril, após ter aumentado 1,40% em março, informou nesta segunda-feira, 15, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado ficou acima da mediana das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, calculada em 0,88%, e dentro do intervalo das previsões, de 0,76% a 1,10%.

Quanto aos três indicadores que compõem o IGP-10 de abril, os preços no atacado medidos pelo IPA-10 tiveram avanço de 1,19% no mês, ante uma elevação de 1,93% em março. Os preços ao consumidor verificados pelo IPC-10 apresentaram crescimento de 0,73% em abril, após a elevação de 0,48% no mês anterior. Já o INCC-10, que mede os preços da construção civil, teve aumento de 0,35% em abril, depois de um avanço de 0,07% em março.

O IGP-10 acumulou um aumento de 2,55% no ano. A taxa em 12 meses ficou positiva em 8,46%. O período de coleta de preços para o indicador de abril foi do dia 11 de março a 10 deste mês.

Os aumentos nos custos dos transportes pressionaram a inflação ao consumidor dentro do IGP-10 de abril. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-10) subiu 0,73% em abril, após ter avançado 0,48% em março. Sete das oito classes de despesa registraram taxas de variação mais elevadas, com destaque para o grupo Transportes, que passou de alta de 0,44% em março para aumento de 1,33% em abril. A gasolina saiu de uma queda de 0,36% para um avanço de 3,15% no período.

Os demais acréscimos ocorreram nas taxas dos grupos Vestuário (de 0,13% para 0,76%), Habitação (de 0,35% para 0,49%), Educação, Leitura e Recreação (de -0,11% para 0,17%), Despesas Diversas (de -0,05% para 0,26%), Comunicação (de -0,02% para 0,11%) e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,47% para 0,48%).

Houve contribuições dos itens roupas (de 0,22% para 0,91%), tarifa de eletricidade residencial (de 0,79% para 1,75%), passagem aérea (de -5,20% para -2,87%), bilhete lotérico (de 0,00% para 10,75%), pacotes de telefonia fixa e internet (de 0,00% para 0,93%) e medicamentos em geral (de 0,13% para 0,58%).

Na direção oposta, o grupo Alimentação apresentou ligeiro decréscimo em sua taxa de variação, de 1,05% para 1,04%. A maior contribuição partiu do item arroz e feijão, que passou de 10,82% para 3,80%.

IPAs

Os preços agropecuários mensurados pelo IPA Agrícola subiram 1,86% no atacado em abril, após um aumento de 4,68% em março. Já os preços dos produtos industriais medidos pelo IPA Industrial tiveram alta de 0,96% este mês, depois da elevação de 1,04% no atacado em março.

Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais tiveram alta de 1,48% em abril, ante um avanço de 1,97% em março.

Os preços dos bens intermediários subiram 0,62% em abril, após aumento de 0,54% no mês anterior.

Já os preços das matérias-primas brutas apresentaram aumento de 1,53% em abril, depois da expansão de 3,60% em março.

Fonte: Exame