Internacional

Cabe às mulheres parar de reclamar e mostrar que ‘podem fazer’, diz executiva da Amazon

A americana Teresa Carlson se tornou uma das mulheres mais importantes no mundo da tecnologia sem saber o que era programação.

Nos anos 1990, quando recebeu a primeira proposta para trabalhar na área, em uma pequena empresa de softwares, sua resposta foi direta: "Não sei nada sobre tecnologia, sou uma burocrata do papel".

Semanas antes da oferta, Carlson fazia a reabilitação de pacientes com derrames ou outros problemas prejudiciais à fala. Era especialista em distúrbios de comunicação, mas não estava satisfeita no posto.

"Sentia que estava no (filme) Feitiço do Tempo, todos os dias eram iguais. Então disse: vou mudar de carreira. Escrevi um currículo e mandei para um amigo."

Anos depois, a empreitada deu certo. Vice-presidente global de Setor Público da Amazon Web Services (plataforma de computação na nuvem oferecida pela Amazon) e com passagem pela Microsoft, ela foi reconhecida como uma das "Pessoas Mais Importantes da Computação em Nuvem" pela revista Business Insider.

Em entrevista à BBC Brasil, a executiva, que apoia uma maior presença feminina no setor, afirma que as mulheres não estão fazendo tudo o que podem para conquistar seu espaço. "Cabe a elas, como um ponto de partida, tomar uma posição e dizer: vamos parar de reclamar e fazer algo a respeito."

Além das ações individuais, para Carlson é essencial inserir aulas de programação nas escolas e incentivar as jovens a mexer com códigos.

"Elas precisam entender que carreiras em tecnologia ajudam-nas a ser indíviduos independentes. Podem ganhar muito dinheiro, ter ótimas escolhas."

A americana, que é responsável pelo contato da empresa com governos, esteve no Brasil em junho para um evento da Amazon Web Services.

Para ler os principais trechos da conversa clique aqui.

Fonte: BBC Brasil