Nacional

Brasileiros voltam a conviver com o círculo vicioso do desemprego

A saúde econômica de um país é espelhada pelo mercado de trabalho. Se a primeira vai mal, o reflexo vem na forma de fechamento de vagas. No Brasil, que vive um cenário de recessão, a desaceleração econômica puxa a alta do desemprego. Foi assim em 2015, quando o Produto Interno Bruto (PIB) do país recuou 3,8%, o pior resultado em 25 anos, e o desemprego teve uma taxa média recorde de 8,5%, segundo os dados da Pnad Contínua, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No total, 9 milhões de pessoas estavam sem ocupação nos últimos três meses do ano passado. A Pnad Contínua com os dados de janeiro, divulgada na última quinta-feira, mostrou que a taxa de desemprego chegou a 9,5% no intervalo entre novembro e janeiro. Outro levantamento do instituto, a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrange as seis principais regiões metropolitanas do país, mostrou que o desemprego nas metrópoles atingiu 8,2% em fevereiro, maior índice para o mês desde 2009. Em paralelo, houve uma queda na renda média das pessoas ocupadas, que está retornando aos níveis de 2012.

A retração da economia mexe diretamente com o mercado de trabalho - mas não são só as estatísticas que atestam o quadro negativo. Perder o emprego é um golpe não apenas para o bolso, mas para a autoestima de pais e mães de família. O padrão de consumo cai, serviços não-essenciais deixam de ser contratados e bens duráveis deixam de ser substituídos. A redução ou mesmo eliminação de prosaicas regalias conquistadas pelas famílias nos anos de bonança também ajuda a explicar o quadro do desemprego no país.

É o caso do gerente de contas Márcio Hermínio, de 30 anos, demitido em agosto. Com a falta de trabalho, ele teve que adaptar seu estilo de vida. Passou a não comer mais fora de casa para economizar, por exemplo. Hoje, faz compras e cozinha em sua casa, onde mora com três amigos. A decisão de Hermínio e milhões de outros consumidores aparece nos dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel): o faturamento do setor teve queda real (descontada a inflação), de 3% em 2015, para 149 milhões de reais. O gerente de contas também sacrificou sua vida social. "Eu costumava sair todo fim de semana, viajava com frequência, ia à praia", conta. Nada disso faz mais parte de sua rotina. Os hábitos do dia a dia também tiveram que ser readequados. Para economizar combustível, ele tem usado o carro quase que exclusivamente nos fins de semana. "Se a situação continuar como está, eu penso em vendê-lo até o meio do ano."

A deterioração no mercado de trabalho causa um efeito em cadeia em diversos setores da economia. Sem emprego e com menos dinheiro, a inadimplência sobe, as pessoas adiam a compra de bens duráveis, como móveis e eletrodomésticos, e, além disso, cortam serviços não-essenciais, como planos de saúde e escola particular. No caso dos planos de saúde, por exemplo, o número de beneficiários caiu em quase 1 milhão em dezembro no ano passado, segundo dados da Associação Nacional de Saúde (ANS).

Leia a matéria completa aqui.

Fonte: Veja Abril